Das 198 mil vacinas recebidas, porto velho já usou 195 mil, incluindo as guardadas para a segunda dose

Sérgio Pires

OPINIÃO DE PRIMEIRA – Muitas cidades ainda estão atrasadas com a vacinação, em todo o Estado, embora a situação tenha melhorado bastante nos últimos dias, depois da pressão para que, além de imunizar a população, as informações fossem transmitidas de imediato para a Secretaria de Saúde do Estado e para o Ministério da Saúde. Até a última segunda-feira, haviam mais de 46 mil doses de vacinas ainda não utilizadas no Estado, daí já descontadas as aplicadas e as guardadas para a segunda dosagem. Com a chegada, na terça, de novo lote de 17.550 Pfizer, mais 8.775 rondonienses poderão ser imunizados com as duas doses. O que se pode destacar, neste contexto todo, é que a Prefeitura de Porto Velho melhorou significativamente não só em qualidade do atendimento como em percentual de uso das 198.546 vacinas recebidas até o final de semana. Até a segunda-feira, a Capital já tinha utilizado 97.783 vacinas da primeira dose e outras 44.956 da segunda, ou seja, num total de 142.739 aplicações. Compute-se nesse pacote outras 52.827 vacinas guardadas para a última dose. Somando tudo (as já utilizadas e as retiradas para a dosagem final), teríamos então um total de 195.566 doses já computadas para imunização. Nesse raciocínio matemático simples, restariam ainda menos de 3 mil doses ainda faltando serem utilizadas. Elas se somarão a aproximadamente às entre 6.500 e 7.000 doses da Pfizer que recém chegaram e se terá um número redondo de até 10 mil vacinas para serem aplicadas, até o lote da terça-feira.

Outra questão que não pode ser esquecida é a qualidade do atendimento. Embora eventualmente possa ter havido tumulto num ou noutro dia, quando milhares de pessoas foram ao posto da Uniron, no mesmo dia e horário, sem estarem agendadas, no geral o sistema criado pela Secretaria Municipal de Saúde, a Semusa, funciona muito bem e foi alvo de centenas de elogios. Na antiga Ulbra, hoje São Lucas, foram constatados os melhores resultados. Embora tenha havido aglomeração desnecessária, a rapidez na imunização foi um dos pontos fortes do sistema ali implantado, Houve ainda dificuldade de uma parte do público, principalmente aquele menos conhecedor da internet, em agendar a vacinação pelo sistema SASI. Principalmente idosos que não tinham ajuda de familiares ou amigos, simplesmente não sabiam usar o sistema. Mesmo assim, a vacinação chegou a eles, de uma forma ou outra. Há um longo caminho ainda a percorrer, mas deve-se destacar que, depois de um início de ajustamento e aprendizado, o sistema municipal de vacinação em Porto Velho se transformou para muito melhor. Tem sido elogiado pela população, com toda a justiça. Que permaneça assim, até o final da pandemia.

MARCOS ROGÉRIO: “SENADO DAQUI A 100 ANOS NÃO LIMPARÁ A COVARDIA CONTRA A DRA. NISE!”

Não houve praticamente novidade na excelente entrevista feita pela jornalista e apresentadora Renata Becária, no programa Câmera Mais, com o senador Marcos Rogério, sobre os rumos da CPI do Circo, apelidada de CPI da Pandemia. Principal defensor do governo e de Bolsonaro na Comissão, Marcos Rogério repetiu o que todos já sabem: que ela é um ambiente de ódio, contaminado pela politicagem; que o relatório para tentar atingir o Presidente, culpando-o pela pandemia, já está pronto antes da CPI iniciar seus trabalhos; que não há preocupação com o Brasil e seus graves problemas, mas apenas com questões politico-eleitoreiras. “O que é triste – disse a certa altura – “é alguém bater no peito e se dizer dono da razão”. Lamentou também os momentos de terror que a médica Nise Yamagushi sofreu, sob o tacão de senadores da oposição, que a trataram com desrespeito. “O que fizeram com ela foi uma covardia tão grande que o Senado daqui a 100 anos, não vai conseguir limpar essa marca de horrores que promoveu contra essa mulher, com esta profissional”.

NA CORRIDA SUCESSÓRIA, CASSOL PODE SER O FIEL DA BALANÇA

Por falar em Marcos Rogério, o nome dele se consolida cada vez mais como candidatíssimo ao governo, em 22. Neste momento, ele seria o principal adversário do governador Marcos Rocha, já que a pré-candidatura de Hildon Chaves ainda não está confirmada. Outro nome que pode aparecer até como surpresa é o do jovem deputado federal Léo Moraes, que tem um eleitorado fiel na Capital e sairia com essa vantagem, numa eventual disputa. Mas é sempre bom lembrar: o fiel da balança no pleito estadual do ano que vem, pode ser o indefectível Ivo Cassol. Embora ainda sem seus direitos políticos, decisão do STF pode beneficiá-lo e torná-lo candidato no ano que vem. Seus advogados, aliás, estão bastante otimistas em relação a essa questão. Com o eventual ingresso de Cassol na corrida sucessória, muda tudo. Se for candidato ao Governo, certamente virá com grande votação do interior. Se for ao Senado, ajudará muito ao candidato que apoiará na corrida pelo Palácio Rio Madeira/CPA. Aliás, já há conversas adiantadas entre ele e um importante grupo político do Estado.

O MDB E O GOVERNO: MOSQUINI TEM PELO MENOS TRÊS NOMES NA MANGA

É sempre bom lembrar, no pacote da política rondoniense, o poderio do MDB, o maior partido político do Estado. Presidente regional, o deputado federal Lúcio Mosquini percorre os municípios, com duas missões iniciais: criar uma nominata muito forte de 24 candidatos à Assembleia Legislativa e, mais que isso, uma relação de oito nomes muito viáveis para a disputa das cadeiras para a Câmara Federal. Só isso? Claro que não. Mosquini mira também no governo do Estado, conversando com várias lideranças, para um eventual apoio do partido. Mas – e ele fala sobre isso o menos possível – sabe-se que o experiente parlamentar, que não é líder da bancada federal de graça, mas graças ao seu trabalho e a forma como sabe fazer política, tem pelo menos três nomes na manga, dentro do próprio partido, para lançar à disputa do Palácio Rio Madeira/CPA. Esse trio com quem Mosquini tem conversado é tema de segredo de Estado e ele não conta de jeito nenhum. Diz apenas que todos eles, quando forem a público, vão balançar o mundo político rondoniense. No mais, tudo em segredo!

COM 17.550 PFEIZER, RONDÔNIA JÁ RECEBEU MAIS DE 630 MIL DE VACINAS

Não pode ser só coincidência! Na medida em que avança a vacinação no Estado (quase 430 mil doses, das quais muito perto de 300 mil da primeira aplicação), os números de contaminados, hospitalizados e mortos estão caindo. No domingo, apenas um óbito no Estado, em Rolim de Moura. Imagina-se que nos finais de semana, os Boletins nunca retratam a realidade e sempre são para menos. Já na segunda-feira, 12 perdas de vidas, quando a média dos últimos dias passava dos 25 óbitos e, há cerca de um mês, estava na faixa de quase 40/dia. O Boletim 445, desta terça-feira, não é confiável, porque os números de novos casos e de óbitos vieram zerados, o que seria ótimo se fosse verdade, mas é apenas um grande erro. Até a segunda, tínhamos 470 pacientes internados, mas nossas UTIs não estão mais superlotadas e estamos até recebendo pacientes de outros Estados, para tratamento em Rondônia. Na terça-feira, chegaram mais 17.550 doses da vacina Pfeizer para o Estado, aumentando para 630.868 mil o número de doses que já foram enviadas para cá, pelo Ministério da Saúde. Enquanto isso, o governo rondoniense batalha para importar 1 milhão de doses da vacina Sputnik, que só agora começa a ser liberada pela Anvisa, embora com restrições.

MICROS E PEQUENOS AINDA TÊM ESPERANÇA CONTRA A INFERNAL BUROCRACIA

Tem sim um caminho para pequenos empresários e empreendedores que enfrentam imensas dificuldades contra a infernal burocracia, inclusive para manter seus negócios. O Sindicato das Micro e Pequenas Empresas de Rondônia é uma entidade que funciona, que ajuda, que não enrola, que abre portas e não cria dificuldades para ganhar facilidades. Com ódio da burocracia brasileira, que torna o empreendedor um refém de tantas normas, leis, decretos, um micro empresário rondoniense já havia desistido de manter sua empresa funcionando, tal o número absurdo de portas que tinha que bater. A partir de medidas saneadoras neste contexto, adotadas no atual governo, que minimizaram os trâmites burocráticos, que pareciam caminhos do inferno e a carga tributária injusta, as coisas começaram a melhorar. Foi aí que entrou o SIMPI, liderado em Rondônia por Leonardo Sobral, hoje um nome reconhecido inclusive em nível nacional. Em pouco tempo, gastando o mínimo, o micro saiu da sede com todos os seus problemas resolvidos, para voltar a ter uma pequena empresa enxuta e com todos os direitos. O SIMPI existe há 28 anos em Rondônia e seu principal telefone de contato é pelo watts ap: 69.99933.0396. O atendimento é presencial ou on line!

ROCHA VAI À CPI EM 9 DE JULHO. MAIS OITO GOVERNADORES SÃO CHAMADOS

Calendário divulgado pelo presidente da CPI do Circo, também chamada de CPI da Pandemia, inclui o nome do governador Marcos Rocha entre os que serão chamadas a participar, como convidados, da Comissão. Além de Rocha, que será ouvido dia 9 de julho, Omar Aziz confirmou os nomes dos governadores Wilson Lima (Amazonas); Hélder Barbalho (Pará); Wellington Dias (Piauí); Ibaneis Rocha (Distrito Federal); Mauro Carlesse (Tocantins); Carlos Moisés (Santa Catarina); Antonio Denarium (Roraima); Waldez Góis (Amapá). Segundo o senador Marcos Rogério, autor do pedido de convocação dos governadores, o critério para convocação foi de que iriam depor apenas os líderes do Estado onde tenham havido operação da Polícia Federal. Em Rondônia chegou a haver uma delas, mas até agora nenhum resultado de que havia algo de irregular ou ilegal foi comprovado. Rondônia é considerado o Estado com maior transparência na questão da Covid 19. Embora a CPI não seja séria, Marcos Rocha terá oportunidade de mostrar ao país como Rondônia enfrentou a doença e como utilizou os recursos federais enviados. Aguardemos pois. A participação dos governadores ainda depende de decisão do STF.

CONFÚCIO RESUME MANDATO DESTACANDO PROJETO E 25 MILHÕES À SAÚDE

“Temos que fazer com que nossa economia, nossa vida, nossa educação, nossos meios de combater a pobreza e desigualdade aconteçam de fato. Senão não se justifica a vida, não se justifica nossa existência aqui no Congresso Nacional…Nada se justifica, se não formos arautos de transformação para melhor”, O texto é do senador Confúcio Moura, ex-governador por dois mandatos e que desde 2019 ocupa uma cadeira no Congresso Nacional, divulgou uma publicação de 52 páginas, resumindo as realizações desde seu primeiro período no Senado Federal. Em destaque, projetos nas áreas de educação e esportes; meio ambiente; economia e emprego e inclusão social unida à tecnologia. Destacou ainda, como exemplo, mais de 25 milhões de reais destinados à saúde pública de Rondônia. Também anuncia que reduziu drasticamente seus gastos de gabinete e propôs que os demais senadores economizem e destinem verba parlamentar para o combate à pandemia. Enfim, Confúcio está trabalhando corretamente e tentando fazer o melhor no Senado. Ao menos foi o que mostrou nestes dois primeiros anos.

PERGUNTINHA

Depois da crise na CBF, o que você achou da mudança radical da posição do técnico Tite e dos jogadores, que agora decidiram que é importante participar da Copa América, aquela que não será transmitida pela Globo?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui