RO, Quarta-feira, 17 de julho de 2024, às 21:55



Expressão Rondônia

De dentro do presídio, dois condenados tramavam e encomendavam a morte de promotora de Justiça em Ariquemes

Segundo apurado, dois irmãos condenados no tribunal do júri estariam arquitetando, de dentro do presídio, ceifar a vida de uma promotora de Justiça

ARIQUEMES – O Ministério Público de Rondônia (MPRO) e o seu grupo de atuação especial da Segurança Pública (Gaesp) e da 5ª Promotoria de Justiça de Ariquemes, deflagrou, em conjunto com a Polícia Civil, na manhã desta quarta-feira, 19, a ‘Operação Fraternum’, com a finalidade de cumprir mandados de busca e apreensão em residências de nove alvos, deferidos pelo juiz de Direito plantonista criminal da Comarca de Ariquemes.

A investigação visa a instruir procedimento investigatório criminal (PIC) instaurado no âmbito da 5ª Promotoria de Justiça, a partir de notícia-crime enviada ao Ministério Público de Rondônia, tendo como objeto a apuração da suposta prática dos crimes de integrar organização criminosa (art. 2º, caput, da Lei nº 12.850/2013), embaraçar investigações (art. 2º, § 1º, da Lei nº 12.850/2013), além do crime de ameaça a uma promotora de Justiça (art. 147 do Código Penal).

Segundo apurado, dois irmãos condenados no tribunal do júri estariam arquitetando, de dentro do presídio, ceifar a vida de uma promotora de Justiça, sendo que usariam o valor adquirido como proveito de um dos crimes praticados por eles para financiar a empreitada criminosa.

- Advertisement -



O grupo de atuação especial da Segurança Pública e a 5ª Promotoria de Justiça levantaram as primeiras informações e realizaram diligências iniciais suficientes a fundamentarem o pedido de busca e apreensão domiciliar e pessoal, bem como de autorização de acesso aos dados armazenados em dispositivos eletrônicos eventualmente apreendidos, além da autorização para afastamento do sigilo de dados telemáticos, tudo em relação às pessoas que, segundo as informações coletadas, prestavam auxílio aos criminosos.

A Polícia Civil (PCRO) auxiliou no levantamento de informações sobre qualificações e endereços dos envolvidos, além de ficar encarregada da execução do cumprimento dos mandados, com equipes compostas por integrantes das Delegacias da Regional de Ariquemes e de Machadinho do Oeste.

A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) e a Direção do presídio de Ariquemes  também contribuíram com atuação rápida e efetiva, através de revista realizada nos pavilhões do presídio, pelo grupo de ações penitenciárias especiais (Gape), objetivando buscar mais elementos de informação nas celas em que os alvos estão custodiados.

O nome atribuído à operação advém do latim Frater, que significa fraterno e faz referência a irmandade, pois, se de um lado há a irmandade dos criminosos; do outro, está evidente a do sistema de justiça: Ministério Público, Polícia Civil e Polícia Penal.

Fonte: Gerência de Comunicação Integrada (GCI-MPRO)






Outros destaques


+ NOTÍCIAS