RO, Domingo, 03 de março de 2024, às 19:21



RO, Domingo, 03 de março de 2024, às 19:21


PCC, Comando Vermelho e Farc: as 22 quadrilhas que disputam o controle da Amazônia

Segundo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, seis em cada dez habitantes da região vivem sob influência do crime organizado

Comando Vermelho e PCC disputam controle de rodovias no norte

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou nesta quinta-feira (30) um estudo sobre violência na região amazônica, no qual mostra que 22 organizações criminosas atuam na área, incluindo o Comando Vermelho, PCC (Primeiro Comando da Capital) e dissidentes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas).

O estudo, nomeado “Cartografias da violência na Amazônia”, mostrou que seis em cada dez habitantes da região vivem sob influência do crime organizado. As quadrilhas estão presentes em, pelo menos, 178 cidades da área.

Além de Comando Vermelho, PCC e dissidentes das Farc, estão na região amazônica o Bonde dos 13, Clã-Chuquizuta, ELN, Os Crias, PCP (Primeiro Comando Panda) e outras 14 organizações ligadas ao tráfico de drogas.

- Advertisement -



A disputa das facções ocorre majoritariamente nas regiões da Amazônia brasileira que fazem fronteira com Acre, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Peru.

O estado de Rondônia, que faz divisa com a Bolívia em toda a sua fronteira oeste, possui o controle majoritário do tráfico de drogas dividido entre Comando Vermelho, PCC e PCP. As três facções lutam pelo domínio das estradas federais que cortam a região, segundo o estudo.

“Os municípios [de Rondônia] em disputa pelas facções são atravessados pelas três rodovias federais que cortam o estado, sendo utilizadas como rota do narcotráfico que interliga a fronteira do Brasil com a Bolívia. São elas: BR-364, BR-425 e BR-429.”

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a taxa de mortes violentes intencionais na região da Amazônia Legal é de 33,8 por 100 mil habitantes, enquanto a média brasileira é de 23,3 por 100 mil habitantes — uma diferença de 45%.

Fonte: R7





Outros destaques


+ NOTÍCIAS