RO, Quarta-feira, 19 de junho de 2024, às 15:15



RO, Quarta-feira, 19 de junho de 2024, às 15:15


Mil, dos 6 mil beneficiados pelo precatório do Sintero, ainda não receberam; apresentaram dados incorretos

A não liberação do dinheiro que o trabalhador tem direito não acontecem pelos seguintes problemas, segundo a coordenadoria do TJ que administra os precatórios: conta bancária incorreta ou falta do dígito da conta; conta bancária que não pertence ao credor; CPF indicado pelo Sintero é de outra pessoa

PORTO VELHO – A coordenadoria de gestão de precatórios do Poder Judiciário de Rondônia alerta aos credores do precatório do Sintero – Sindicato dos Trabalhadores da Educação (nº 0006439-92.2010.8.22.0000), sobre a importância de checarem com muita atenção os dados que constam no processo. Algumas inconsistências no fornecimento de dados têm resultado em devoluções de alvarás eletrônicos, atrasando os pagamentos.

O processo foi requisitado para cerca de 6.000 credores, e já foram pagos mais de 5.000 beneficiários. O precatório nº 0006439-92.2010.8.22.0000 é o de maior número de credores pagos por este Tribunal de Justiça.

Foto: TJRO

Em razão do empenho da equipe de precatórios, foi possível emitir todos os alvarás, restando pendente de pagamento apenas aqueles credores que tiveram divergência em seus dados bancários.

- Advertisement -



De acordo com a coordenadoria, as devoluções decorrem, principalmente, pelos seguintes motivos: conta bancária incorreta ou falta do dígito da conta; conta bancária que não pertence ao credor; CPF indicado pelo Sintero é de outra pessoa, ou seja, diferente do que consta no processo; ou ainda tipo de conta incorreta (ex: a conta é corrente 001 e o sindicato afirma que é poupança 013).

Orienta-se que os credores não forneçam conta bancária de terceiros, pois o alvará é cadastrado por CPF e conta bancária, que deve ser da parte ou de seu advogado, com poderes para receber e dar quitação.

Por fim, em caso de devoluções de alvarás, a coordenadoria de gestão de precatórios deve aguardar a confirmação oficial da Caixa Econômica Federal, para que seja possível a emissão de novos alvarás.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional TJRO






Outros destaques


+ NOTÍCIAS